Domingo, 18 de Abril de 2021

Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
Sorocaba 

buscar

<< Campanha ‘Sem Sacramento, Sem Dízimo’ PALAVRA DO ARCEBISPO - Dom Julio Endi Akamine, SAC

Publicada em 08/04/2021 às 17:55
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Uma campanha está sendo divulgada nestes tempos de suspensão das celebrações comunitárias presenciais: “Campanha Católica: Sem Sacramento – Sem Dízimo. Se não temos direito de receber os sacramentos, também não temos direito de dar o dízimo”.

Além de algumas mentiras contidas no próprio texto, causa repulsa a mentalidade sobre a qual ela se funda: ‘sem sacramento – sem dízimo’! Quem propõe e quem participa dessa campanha acusa a Igreja Católica de ser unicamente motivada e movida por dinheiro. “Enquanto não doer no bolso, não ouvirão o grito do povo!”. Seguindo nessa direção, o resultado será o da simonia: “Você quer o sacramento? Então, pague o dízimo! A graça é difícil de ser alcançada? Então, o dízimo deve ser mais alto”.

Não queremos esse tipo de dízimo! Aos que se renderam a essa lógica, não há outra resposta a não ser a dada pelo Apóstolo Pedro a Simão, o mago: “Pereça o teu dinheiro e tu com ele, porque julgaste poder comprar com dinheiro o dom de Deus” (At 8,20). No fim das contas, esse dinheiro oferecido nem merece o nome de dízimo, pois ele ofende o ministro de Deus e, sobretudo, a Deus! Até a imagem com a qual se veicula essa campanha é ofensiva: ataca a sacralidade e a santidade dos sacramentos da Igreja!

Ninguém é obrigado a oferecer o dízimo para a Igreja. Ele não é um pagamento, nem deve ser instrumentalizado para chantagear. Ao mesmo tempo, nenhum ministro de Deus pode oferecer os sacramentos ou a graça de Deus com fins comerciais. Essa Campanha nada católica induz o fiel a pensar o dízimo como moeda de troca e como meio para fazer pressão e revela a mentalidade mesquinha de quem nada entendeu do Evangelho de Cristo e do testemunho das primeiras comunidades.

Como Arcebispo, tenho que suportar, com caridade cristã, muitos ataques, críticas e protestos. Acho isso normal e uma obrigação do encargo que me foi imposto. Por outro lado, tenho a obrigação de corrigir os erros e evitar que os fiéis se desviem do caminho da salvação. É por isso que sou obrigado, a contragosto, a alertar contra essa campanha: não podemos, não devemos, não queremos ceder ao pecado da simonia!

É minha obrigação chamar os pecadores à conversão, sem esquecer a necessidade de buscar a própria e de fazer penitência pelos pecados próprios e alheios. Se alguém não pode oferecer o dízimo, não comete pecado e pode estar com a consciência serena e em paz. Outra coisa bem diversa é achacar a sua paróquia com o seu dinheiro!

Peço desculpas a tantos fiéis generosos que continuam se doando para o sustento da sua paróquia. É um encorajamento ao ministério sagrado e, ao mesmo tempo, uma advertência severa saber que o dinheiro dado à Igreja provenha da generosidade de quem assume como responsabilidade pessoal a manutenção do culto, do clero e da assistência aos pobres. Sei que vocês não merecem essa reprovação, nem deveriam ser onerados com esta triste notícia. Espero que, ao menos, esse lamentável incidente sirva para a nossa purificação e nos motive a uma oração mais intensa e confiante na misericórdia do Senhor e contribua para a conversão dos que nos tentam com essa proposta sórdida. – Dom Julio Endi Akamine, SAC, é arcebispo metropolitano de Sorocaba e escreve semanalmente às sextas-feiras no DIÁRIO

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar