Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ECONOMIA Cesta básica sorocabana subiu R$ 40,28 em um ano Dezembro foi o quinto mês consecutivo, porém, que apresentou tendência de baixa na cidade, conforme apurado pelo Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso

Publicada em 06/01/2017 às 06:50
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Fernando Rezende)
A cesta básica sorocabana encerrou o ano de 2017 custando R$ 598,25, ou seja, R$ 5,63 a menos que o apurado em novembro (R$ 603,88), de acordo com o boletim mensal elaborado pelo Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade de Sorocaba (Uniso), divulgado ontem. No ano, subiu R$ 40,28, uma alta acumulada de 7,22%, levando-se em consideração que em dezembro de 2015 custava R$ 557,97. Depois da forte alta no mês de janeiro de 2016, o valor da cesta básica manteve, segundo os pesquisadores do Laboratório, relativa estabilidade nos três meses seguintes, passando a apresentar uma tendência de forte alta a partir de maio, mas que foi interrompida a partir de agosto. 
 
O resultado de dezembro de 2016 (-0,93%) foi o quinto mês consecutivo de queda e o menor valor do ano, indicando que a tendência de queda no valor da cesta básica continua consistente, encerrando o ano com essa alta acumulada de 7,22% - quase a metade do acumulado em 2015 (14,33%), porém um pouco superior à inflação medida pelo IBGE (IPCA-2015) para o ano de 2016 (6,58%). A queda mensal de dezembro foi a sétima no ano; as outras foram em março (-0,62%), abril (-0,56%), agosto (-0,18%), setembro (-0,33%), outubro (-0,29%) e novembro (-0,38%). 
 
BATATA IMPULSIONOU A QUEDA EM DEZEMBRO – Dos 34 itens pesquisados na cesta básica sorocabana, a batata foi o item que mais apresentou queda em dezembro (-29,63%), cotada a R$ 2,09/quilo ante R$ 2,97/quilo em novembro. Esse aumento foi consequência de uma grande oferta no mercado brasileiro, segundo o professor Lincoln Diogo Lima. Coordenador do Laboratório de Ciências Sociais Aplicadas da Uniso.
Outro item que também apresentou forte queda foi o feijão (-13,93%); em novembro, o seu preço médio era de R$ 8,04/quilo, passando para R$6,92/quilo em dezembro, no quinto mês consecutivo de queda. “Com a demanda estabilizada e a entrada da última safra do ano, os preços caíram”, reconhece ainda o professor Lincoln, apontando que o terceiro item a apresentar queda foi o extrato de tomate, que em novembro registrou um valor médio de R$ 2,71/370g, passando para R$ 2,57/370g. O aumento da oferta de tomate no mercado, sendo ele o principal ingrediente do extrato de tomate, fez com que os preços baixassem. 
 
A carne de 2ª também apresentou queda, passando de R$ 16,32/quilo em novembro para R$ 15,73/quilo em dezembro. “Ao que tudo indica – aponta, por outro lado, a pesquisa da Uniso -, essa redução deve estar relacionada à queda da demanda devido ao baixo poder de compra da população”.
 
No mês de dezembro também, o leite longa vida teve uma queda de -1,82%, cotado a R$ 2,70/litro contra R$ 2,75/litro em novembro, na quarta queda consecutiva no ano, consequência do período de final de ano, quando é normal haver certa redução no consumo de leite, ao mesmo tempo em que o clima mais chuvoso contribui para crescimento das pastagens e, consequentemente, maior produção. 
 
Por outro lado, a cebola foi o produto que mais apresentou alta no mês de dezembro (6,78%), passando de R$ 1,77/quilo em novembro para R$ 1,89/quilo em dezembro. “Tal aumento é por conta de estratégia de mercado dos agricultores de aumentar o produto em estoque e liberá-lo de forma lenta, assim esperando a melhora do preço”. 
 
O óleo de soja também apresentou alta nos preços, cotado a R$ 3,44/900ml ante R$ 3,28/900ml em novembro. Segundo o Cepea, este aumento foi devido à quebra na safra e grandes exportações, provocando pouca oferta no mercado interno. 
 
 
 Os grupos de bens que compõem a cesta básica sorocabana apresentaram, em dezembro de 2016, as seguintes variações de preço em relação ao mês anterior: alimentação (-1,34%); limpeza de (0,97%) e higiene pessoal (1,82%).
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar