Quarta-Feira, 20 de Março de 2019 ASSINE O DIÁRIO 15.3224.4123

Diário de Sorocaba

buscar

Os prejuízos da economia subterrânea

Publicada em 12/01/2019 às 03:03
Compartilhe:

Se há algo difícil de ser dimensionado é a força e a organização da economia informal no Brasil, ou seja, aquela que tantos prejuízos causa à economia formal, que é obrigada a respeitar e cumprir as regras ditadas pelo governo. Esse tipo de informalidade, também conhecida como economia subterrânea, engloba tudo o que acontece à margem da lei. Entre outros, esse universo é composto por traficantes, assaltantes, sequestradores, sonegadores de impostos, falsificadores e ambulantes, entre outras pessoas que vivem à margem da legalidade. O comércio de drogas, por exemplo, é uma das práticas ilegais que mais movimentam dinheiro, "empregando" milhares e milhares de pessoas. Também denominado de "quarto setor", esse tipo de economia é constituído por todas as ações de compra e venda ilegais. Elas enquadram desde marginais até empresários que não recolhem os tributos para ter mais lucro. Graças à "Lava-Jato", muitos deles já estão atrás das grades.  
Para se ter uma ideia, conforme a imprensa divulgou nos últimos dias, o Brasil tem atualmente o equivalente à economia da África do Sul girando na informalidade e prejudicando de todas as maneiras áreas como a da saúde, da educação e da infraestrutura, entre outras. Essa economia paralela movimentou cerca de R$ 1 trilhão em doze meses até julho do ano passado, de acordo com os últimos dados a respeito. Não é difícil compreender o que toda essa importância beneficiaria os brasileiros em geral. Como se observa, é gigantesco o buraco negro na vida dos brasileiros. 
O setor que vive às margens das normas legalmente constituídas apresenta indícios de movimentar cerca de 5% do PIB brasileiro, afetando significativamente orçamentos de empresas que trabalham na legalidade e deixando o governo de arrecadar mais em benefício dos melhoramentos públicos. 
Se o governo de Jair Bolsonaro, nos próximos quatro anos, conseguir reduzir em pelo menos 20% o dinheiro que é desviado pela informalidade, certamente já conseguirá uma grande conquista para a população brasileira, pois mais recursos é que passarão a ser arrecadados pelos poderes públicos. Para tanto, é inevitável a aprovação de uma série de reformas, pois só assim é que a formalização das atividades irregulares poderão ser reduzidas, possibilitando a retomada gradativa dos negócios legais. Só com medidas urgentes para sanar os problemas é que será possível ver a queda da economia subterrânea, que tanto se expandiu ao longo dos anos no País.