Domingo, 16 de Fevereiro de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< SOROCABA Condutor aguarda solução após batida de ônibus

Publicada em 26/03/2018 às 18:31
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

(Foto: Arquivo Pessoal/Silvano Alves dos Santos)
A batida de um ônibus da empresa Consórcio Sorocaba (Consor) em um veículo Chevy 500, no dia 9 de março, ainda não teve solução para o condutor Silvano Alves dos Santos, 44 anos, que procurou o DIÁRIO para denunciar o ocorrido. Sem a picape, o desempregado está há duas semanas sem poder oferecer serviços de frete.
 
Segundo Silvano, um ônibus da Consor desceu a avenida Itavuvu na contramão sentido bairro-Centro e ultrapassou o sinal vermelho na altura do número 3.415, atingindo seu carro por volta das 5h30. “(O motorista) bateu, desceu do ônibus e nem perguntou se eu estava bem”, relata. “Chegou outro ônibus, ele entrou e continuou a linha. O outro motorista disse ‘acidentes acontecem’ e me mandou ir no Mangal fazer ocorrência!”.
 
Os dois motoristas da empresa esconderam o crachá de identificação ao aproximarem-se, segundo Silvano, que fez um boletim de ocorrência policial no mesmo dia e, então, procurou a concessionária Consor em três ocasiões. “Dizem que vai ficar em análise e que eles vão entrar em contato”, explica. “Meu carro deu perda total e era meu ganha pão. Estou sem chão”, desabafou na redação.
 
Em nota, a assessoria de imprensa da Consor informou que já tomou todas as providências cabíveis em relação ao motorista e já entregou toda a documentação para a seguradora ressarcir os prejuízos de Silvano. “Os processos demoram de 7 a 15 dias, em média, devido aos procedimentos da seguradora”, frisou.
 
ORÇAMENTO DE R$ 10 MIL - Com um orçamento de R$ 10 mil para reparos do automóvel, Silvano diz que a Consor fez uma proposta na tarde de quarta-feira (20), após contato do DIÁRIO, mas ele não aceitou pelo baixo valor. “Em 21 anos de carta, nunca tive um acidente. O motorista do ônibus assumiu o risco. Estou sem trabalhar. E agora, o que faço?”, indaga-se.
 
 
 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar