Quarta-Feira, 22 de Janeiro de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ECONOMIA Pedidos de recuperação judicial batem recorde no 1º semestre, afirma Serasa

Publicada em 05/07/2016 às 14:42
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Os pedidos de recuperação judicial dispararam 87,6% de janeiro a junho deste ano, ante igual intervalo de 2015, e atingiram o nível recorde de 923 ocorrências, segundo pesquisa da Serasa Experian. Considerando apenas o mês de junho, houve alta de 60% na comparação anual, para 168 pedidos. Em junho ante maio, houve queda de 8,7%.
 
De acordo com os economistas da Serasa, o recorde histórico atingido pelos pedidos de recuperação judicial neste primeiro semestre de 2016 revela a gravidade da atual crise econômica. "A combinação dos juros altos com a prolongada recessão impõe sérias dificuldades financeiras para as empresas, levando-as a se utilizarem do mecanismo da recuperação judicial como forma de se preservar da insolvência", diz a empresa por meio de nota.
 
No acumulado dos seis primeiros meses do ano, as micro e pequenas empresas lideraram os requerimentos de recuperação judicial, com 535 casos, seguidas pelas médias (246) e pelas grandes empresas (142).
 
No caso das falências, houve elevação 8,9% no período de janeiro a junho, com 869 pedidos. Considerando apenas junho, foram registrados 195 requerimentos, alta de 22,6% em relação ao mesmo mês de 2015 e avanço de 29,1% na comparação com maio deste ano.
 
Do total de requerimentos de falência efetuados até agora neste ano, 451 foram de micro e pequenas empresas, 211 foram de médias e 207 de grandes empresas.
 
O indicador da Serasa é construído a partir do levantamento mensal das estatísticas de falências (requeridas e decretadas) e das recuperações judiciais e extrajudiciais registradas mensalmente na base de dados da empresa, provenientes dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e da Justiça dos Estados. (Conteúdo Estadão)
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar