Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< ECONOMIA Gás natural ficou mais caro a partir de ontem

Publicada em 01/06/2016 às 03:03
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

O gás natural entra no mês de junho com seus preços aos consumidores reajustados.A concessionária Gas Natural Fenosa, distribuidora de gás natural canalizado para a região sul de São Paulo, incluindo Sorocaba, Votorantim, Itapetininga e outras cidades da região, recebeu autorização da Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado) para alteração das tarifas praticadas a partir de 31 de maio. A alteração tarifária atualizou, segundo informações da concessionária, o valor dos componentes `preço do gás´ e `transporte´, bem como corrigiu a ´margem de distribuição´ da empresa, com base na variação do IGP-M nos últimos doze meses, até o final de abril. “Apesar da correção da margem de distribuição pelo IGPM, a queda ocorrida no preço do petróleo no mercado internacional nos últimos doze meses e o consequente efeito sobre o componente custo do gás levaram à redução das tarifas finais aos grandes consumidores industriais na região atendida pela empresa. Os demais segmentos de mercado tiveram aumento”, acrescenta nota oficial da Gas Natural Fenosa.  
 
Assim, os preços variam da seguinte forma, para os diferentes segmentos e suas faixas de consumo: +4,53% a +6,38 (30 e 5 m³/mês), para o residencial; +4,25 a +5,21% (1.000 e 100 m³/mês), para o comercial; -2,00% a +2,04% (10 milhões e 50 mil m³/mês), para o industrial e +1,59% (todos os postos de distribuição), para o GNV (gás natural veicular).
 
Em números, para uma família que consome, mensalmente, o equivalente a um botijão de 13 kg (16 metros cúbicos de gás natural), a economia com o uso do gás natural é de 2,5%, em média, na cidade de Sorocaba. “Esta economia aumenta conforme também cresce o consumo, de 10,4%, por exemplo, para as famílias que gastam 30 metros cúbicos por mês. Para um comércio de médio porte (200 metros cúbicos de gás natural por mês), a economia média é de 11,2%. No segmento de GNV, também segundo os preços médios praticados atualmente no Município, a economia é de até 53%, na comparação com a gasolina e o etanol”. 
 
A alteração da tarifa do GNV é aplicada pela distribuidora para os postos, cabendo a estes definirem o preço final a ser praticado ao consumidor na bomba. 
 
Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar