Terça-Feira, 26 de Maio de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Gastos da Scotland Yard para vigia de Assange chegam a R$ 159 mil

Publicada em 17/08/2012 às 19:28
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

A Scotland Yard mantém cerca de 40 agentes armados ao entorno da embaixada do Equador em Londres, onde o fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, está refugiado. A operação tem custado aos cofres britânicos aproximadamente 50 mil libras esterlinas por dia (equivalente a R$ 159 mil), de acordo com o jornal local "Daily Mail".

A embaixada fica próxima à luxuosa loja de departamentos Harrods, em Londres. Além dos 40 agentes no perímetro da sede, há seis policiais nas áreas públicas do edifício, como o telhado, o subsolo e a entrada. Na manhã desta sexta-feira, três vans policiais permaneciam estacionados ao redor do prédio. Eles também estariam em pé em escadas e bloqueando o elevador, que poderia ser usado para tirar Assange para o telhado do edifício para um helicóptero.

Embora a embaixada seja composta por 12 quartos, um pequeno escritório é agora habitat de Assange - um espaço onde deve dormir, tomar banho e fazer refeições. Material de escritório, uma cama e uma esteira para correr compõem os móveis no cubículo do australiano, que tem acesso à internet e liberdade para receber amigos e simpatizantes.

O fundador do Wikileaks se refugiou na embaixada equatoriana em junho para tentar impedir uma extradição à Suécia, onde é acusado de estupro e crimes sexuais. Ele também é requerido pelos Estados Unidos por espionagem. 

Nesta sexta-feira (17), o presidente do Equador, Rafael Correa, disse que a decisão de conceder asilo a Julian Assange foi tomada diante da falta de garantias da Suécia de que não iria extraditá-lo para os Estados Unidos. Em declarações a uma rádio local, Correa assegurou ainda que o australiano poderá ficar quanto tempo precisar na embaixada em Londres e que lhe ter concedido o amparo legal não significa necessariamente estar de acordo com todas as políticas do WikiLeaks.

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar