Segunda-Feira, 25 de Maio de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Ativistas serão ouvidos pela polícia e podem ser indiciados em 6 crimes

Publicada em 24/10/2013 às 21:38
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

CASO DOS BEAGLES

Mais de 20 pessoas já foram intimadas a depor na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) a respeito da invasão que fizeram na última sexta-feira (18) no Instituto Royal, em São Roque, local de onde foram retirados 178 cães da raça Beagle. As identificações foram possíveis por meio de imagens feitas pela imprensa no dia da invasão e também na manhã seguinte, quando houve manifestação em frente ao instituto. O caso, que estava sendo investigado pela Delegacia de Polícia de São Roque, está agora sob responsabilidade da DIG de Sorocaba, devido à abrangência de suspeitos que residem não só na região, mas também na Grande São Paulo e Capital. De acordo com a polícia, são seis os crimes que descrevem a ação dos ativistas.

Na manhã de ontem o delegado seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, ao lado do delegado de São Roque, Marcelo Pontes, e do titular da DIG, José Humberto Urban Filho, afirmou que as pessoas intimadas participaram das ações no último final de semana em São Roque, mas não soube precisar se são todas ativistas. “Durante os depoimentos, essas pessoas irão apresentar suas versões, falar o que faziam no local e, assim, iremos separar os grupos”, explicou. “A polícia não quer responsabilizar os ativistas, mas a ação extrapolou”, disse.

A esses identificados foram enviadas cartas precatórias informando a intimação para depor já na próxima semana. Representantes da empresa também deverão prestar esclarecimentos à polícia. Ainda de acordo com Carriel, ao comparecer para cumprir a intimação, a pessoa deverá entregar ou informar o paradeiro do cão retirado do instituto. “Os cães estão por todo o São Paulo e talvez em outros Estados. Se a pessoa não informar o paradeiro do cão, ela poderá sofrer as consequências, mas isso será uma questão particular de cada um. Ao final, tudo será incluso no inquérito, analisado e depois será visto o que pesará sobre cada pessoa.” Os ativistas decidiram pela invasão alegando que o laboratório estaria cometendo maus-tratos aos animais.

Segundo o delegado Urban, o setor de inteligência da DIG, por ter um efetivo mais amplo, ficou encarregado de identificar mais pessoas, pois na ocasião da invasão havia mais de 100 manifestantes no local, apontou Carriel. “Por causa dos rumos que tomaram essas ações, que começaram com uma manifestação e acabaram dessa forma, a DIG entrou no caso. Nosso próximo passo é ouvir os intimados e individualizar a conduta de cada um deles para, então, identificar mais pessoas.”

CINCO INQUÉRITOS – Conforme o delegado titular da DIG, são cinco os inquéritos que existem a respeito do caso do Instituto Royal, porém apenas dois estão sob responsabilidade de Marcelo Carriel. O primeiro é civil e trata da investigação que o Ministério Público (MP) estava fazendo há cerca de um ano para apurar as denúncias de maus-tratos contra os animais nesse centro de pesquisas. Ontem, os delegados não souberam informar se o órgão interrompeu ou não o trabalho devido à retirada dos animais, mas afirmaram que, conforme os cães forem sendo encontrados, passarão por exames com veterinários para constatar se são mesmo do instituto.

Outros dois inquéritos, criminais, tratam de flagrantes feitos no dia da manifestação, que aconteceu durante todo o sábado após a invasão. Esses casos seguirão na Delegacia de São Roque, mas serão inclusos nos inquéritos finais. Os outros dois casos que foram transferidos para a DIG tratam da invasão e manifestação feitas por ativistas e arruaceiros, que resultou não só na retirada dos cães, mas também em subtrações de outros pertences da empresa, como documentos; e ainda dos maus-tratos aos cães apontados pelos ativistas e a regularidade do instituto, esse último a DIG analisa junto ao MP.

Segundo os delegados, os crimes que pesarão contra os que forem indiciados serão furto qualificado, arrombamento, formação de quadrilha e dano. E ainda, “se houver elementos”, serão indiciados por organização criminosa, lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013, afirmou Carriel. Um pendrive que foi entregue à Polícia Civil de São Roque pelo repórter de uma emissora de televisão, foi analisado. Marcelo Pontes disse que no dispositivo havia informações técnicas contábeis e fiscais do centro de pesquisa. Todos os dados serão inclusos nos inquéritos.

TRÊS CÃES LOCALIZADOS – O terceiro cão da raça Beagle foi encontrado na quarta-feira, no bairro Marmeleiro, em Mairinque, cidade vizinha de São Roque. A mulher que entregou o cão macho à polícia disse que recebeu o animal, mas por ter outros em sua casa não conseguiria sustentar a todos; ela negou ter participado das ações. Outras duas fêmeas já haviam sido localizadas no bairro do Carmo, em São Roque, e levadas para a delegacia na tarde de sábado, um dia após a invasão ao instituto. 

Em vídeo gravado por Sílvia Ortiz, gerente-geral do Instituto Royal, a empresa nega que fazia teste de cosméticos ou de produtos de limpeza nos animais. Sobre os maus-tratos, os delegados afirmaram que o laudo deve ser entregue dentro de 30 dias e, então, serão constatadas as veracidades das denúncias. “Se for o caso, faremos nova perícia no local, assim como nos animais para verificar se eles foram mesmo maltratados.” A Prefeitura de São Roque manteve o alvará de funcionamento do laboratório.


Deic de São Paulo investiga ‘Black Blocs’ 

O delegado seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, foi enfático ao dizer que não foram apenas ativistas que participaram da manifestação no sábado, após a invasão. Também membros do grupo anarquista denominado “Black Bloc”. “Eles são organizados, têm finalidades, parecem ter hierarquia e seus objetivos são causar danos, insegurança e desvirtuar o objetivo da manifestação.” Ainda de acordo com Carriel, o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) já investiga esses grupos por ocasiões de outras manifestações violentas que aconteceram em São Paulo e em outros Estados brasileiros. 

Referente ao protesto que ocorreu no último sábado em São Roque, o delegado destacou que entre os ativistas estavam integrantes desse grupo, que promoveram depredações e incêndios em viaturas policiais e carros da imprensa. A Tropa de Choque da Polícia Militar precisou ser acionada para conter o grupo com uso de balas de borracha e bombas de efeito moral. “Um grupo de 20, 30 pessoas que, se não são as mesmas, agem da mesma forma, decidindo pela destruição.” Os identificados como integrantes desse grupo devem sofrer as penalidades previstas pela lei.
 
 

MÃE ASSUME POSTO DA FILHA NO TRÁFICO - Com base em denúncias anônimas feitas à Polícia Militar de Votorantim, a equipe de Força Tática composta pelo sargento Passos e os soldados Lopes, Vieira e Martins, seguiram para o bairro Cachoeira, onde localizaram a denunciada, Andrea Lima da Silva, 33 anos. Com ela, os PMs apreenderam 17 pedras de crack, 29 porções de cocaína e R$ 410 em dinheiro. A filha dela já havia sido presa há nove meses também por tráfico de drogas, e ela contou que assumiu o posto da filha. Apresentada na delegacia, Andrea foi autuada e depois conduzida à cadeia feminina da Votorantim. 
 
 

Adolescente morre em troca de tiros com PM

Um garoto de 16 anos morreu baleado por um policial militar, por volta das 20 horas de quarta-feira, numa área verde do Jardim Santo André II. De acordo com o que foi registrado no plantão norte, o adolescente estaria fugindo da polícia com um Fiat Uno roubado. A troca de tiros que vitimou o menor aconteceu em meio ao matagal.

Acionadas via Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), equipes de policiais saíram em diligências procurando por um Fiat Uno Way, de cor preta e modelo 2011, que havia sido roubado de um comerciário de 54 anos, e estaria trafegando pela avenida Ulysses Guimarães. Os PMs seguiram para a via e encontraram o garoto abandonando o veículo e se embrenhando na área verde.

De acordo com o que relataram os militares no boletim de ocorrência, eles seguiram o menor e no meio do matagal deram-lhe ordem para levantar as mãos. Porém ele teria começado a disparar com arma de fogo contra os policiais, que revidaram e o atingiram. O garoto, que morava no Recreio dos Sorocabanos, morreu na hora. Com ele, teria sido apreendido um revólver de calibre 38 com dois cartuchos íntegros e três deflagrados.

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu-192) foi ao local, mas o médico apenas confirmou o óbito. Também a perícia técnica foi acionada e realizou exames residuográficos no adolescente e nos militares. Em seguida as duas pistolas de calibre 40 dos PMs, e a que o menor estaria usando foram apreendidas para perícia.


PLANTÃO
 
FURTO A CONSTRUÇÃO – Equipe da PM em patrulhamento na manhã de ontem foi acionada via Copom para atender à ocorrência de furto em um prédio em construção na Vila Barão. No local, populares informaram que um indivíduo havia arrombado o cadeado do portão e furtado ferramentas. Com as informação e características do autor, a equipe conseguiu localizar Mauro Willian de Abreu, 40 anos, na rua Afonso Murad, e abordá-lo. Com ele, havia um machado, duas cavadeiras, duas enxadas, um cadeado, uma corrente e um corte e dobra. Conduzido à delegacia, Mauro foi autuado em flagrante delito por furto qualificado e recolhido à carceragem local.

TRIO FURTA PARA COMPRAR DROGAS – Guardas civis municipais em patrulhamento pela avenida Ipanema, altura do Jardim Novo Horizonte, avistaram três indivíduos suspeitos, pouco depois da 0 hora de ontem, e cada um carregava uma bateria elétrica de caminhão. Em abordagem, os guardas encontraram com Gilberto Inocêncio da Silva, 28 anos, e Cláudio do Amaral Vaz, de 18, um alicate e uma chave mixa. Com eles estava um adolescente de 17 anos. Eles assumiram o furto e disseram que praticaram o crime para vender as peças, conseguir dinheiro e comprar drogas.

APREENSÃO DE MUNIÇÃO – Uma criança de 9 anos foi apreendida pela Polícia Militar no início da tarde de quarta-feira, depois de ser descoberta com uma munição de calibre .380, na escola. O fato ocorreu na rua Souza Pereira, Centro, onde funcionários da unidade de ensino informaram que um menino estaria exibindo munição para as crianças. O inspetor de alunos aproximou-se e perguntou sobre a procedência da munição. A criança respondeu que tinha encontrado na rua. Foi tentado contato com os pais do menino, porém sem sucesso, até que a PM foi acionada e conduziu a ocorrência para o plantão sul, onde a munição foi apreendida e o menor, liberado para sua mãe. 

ARMA, HOMICÍDIO E RECEPTAÇÃO – Por volta das 12 horas de quarta-feira, PMs de Ibiúna foram acionados via 190 e se deslocaram até o bairro Verava, onde um indivíduo estaria ameaçando de morte com arma de fogo um morador. Durante abordagem, Cláudio Pedro Ferreira foi revistado e com ele havia um revólver de calibre 38 com quatro munições intactas e três já deflagradas. A arma constou como produto de furto ocorrido em Campinas. Mediante os fatos, o homem foi autuado por porte ilegal de arma de fogo, tentativa de homicídio e receptação; em seguida encaminhado à cadeia de São Roque.

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – A PM de Iperó atendeu, na madrugada de ontem, à ocorrência de agressão no bairro George Oetterer. Aos policiais, a vítima mostrou os ferimentos feitos com faca pelo seu companheiro, José Silva dos Santos Junior. Segundo a mulher, José teria ateado fogo na residência depois que a agrediu. A equipe saiu em buscas do homem e o localizou. Na delegacia, José foi autuado por lesão corporal com base na Lei Maria da Penha e permaneceu detido à disposição da Justiça. A vítima precisou ser socorrida ao Pronto-Atendimento (PA) local. 
 

 

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar