Terça-Feira, 26 de Maio de 2020

Diário de Sorocaba





Leia a edição impressa na íntegra


Clique aqui para acessar a edição do dia
buscar

<< Experiências são mostradas no Seminário de Inclusão

Publicada em 21/09/2011 às 20:20
Compartilhe: IMPRIMIR INDICAR COMENTAR

Mais de 300 diretores de escolas públicas e orientadores pedagógicos participaram do encontro (Foto: Emerson Ferraz / Secom)
A evolução de crianças portadoras de deficiência, a oportunidade do convívio com os demais alunos, as conquistas e avanços de cada uma. Essas foram algumas das experiências apresentadas durante o I Seminário de Educação Inclusiva, realizado ontem. O evento também marcou a passagem do Dia Nacional da Pessoa com Deficiência e os dois anos de funcionamento do Centro de Referência em Educação "Dom José Lambert", da Prefeitura.

Em seu pronunciamento, o vice-prefeito José Ailton Ribeiro destacou o trabalho que o Centro de Referência vem desenvolvendo aos alunos da rede municipal, principalmente, o voltado à inclusão. “Temos orgulho do trabalho desses profissionais que, com a inclusão, estão ajudando a mudar a vida das nossas crianças”, disse.

Durante o seminário, houve também o lançamento do Guia de Recursos e Serviços de Sorocaba, que contém nomes, endereços e contatos de todas as instituições, bem como a caracterização dos serviços que prestam à população. “Esse guia será muito útil. Ele será distribuído a todas as instituições e órgãos públicos para facilitar o fortalecimento dessa grande rede. Numa situação, por exemplo, da chegada de uma criança vítima de maus-tratos será possível encontrar, por meio deste guia, a forma correta de encaminhamento”, explica a gestora do Centro de Referência, Úrsula Medeiros.

Mais de 300 diretores de escolas públicas e orientadores pedagógicos, além de representantes de entidades como Apae, Colégio Politécnico, Projeto Guri e representantes das organizações governamentais e não governamentais, participaram do encontro, realizado no auditório do Sorocaba Park Hotel.

Egberto de Almeida Penido, juiz da 1ª Vara Especial de Adolescentes Infratores, juiz assessor da Coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça do Estado e São Paulo, falou sobre “Inclusão Social: Equiparação de Oportunidades e Exercício da Cidadania”.

Em vídeos, mostrou alguns dos trabalhos feitos com jovens de São Paulo, como a que foca a justiça restaurativa, ressaltando que, no processo de inclusão, o maior desafio é a própria pessoa se transformar. Falou do desafio que é o trabalho voltado a esses jovens e a inclusão educacional. “Todo conflito é uma oportunidade de mudança, de transformação. A princípio, para o professor, pode ser um grande desafio trabalhar com esse jovem, mas temos de olhar de forma diferente.” 

O CENTRO - Inaugurado em 2009, o Centro de Referência em Educação "Dom José Lambert", aliado à Sedu, atua no sentido de promover o desenvolvimento do processo de aprendizagem dos alunos de Sorocaba. Graças ao trabalho da equipe multidisciplinar do local, atualmente centenas de crianças frequentam normalmente as aulas nos Centros de Educação Infantil (CEIs), Ensino Fundamental e Médio.

Tanto a equipe escolar quanto os familiares das crianças em situação de exclusão recebem apoio-orientação dos profissionais do Centro de Referência. Contando com a parceria do Instituto Paradigma e outras instituições da cidade, como Apae, Afissore, oferece o suporte necessário para a inclusão educacional das crianças. "Nossa maior preocupação é garantir o ingresso e o sucesso da criança na escola”, explica Úrsula.

A orientadora pedagógica da rede municipal, Keyla Funes, apresentou dois casos de crianças que hoje frequentam normalmente os Centros de Educação Infantil. Moysés, com Síndrome de Down e disfagia, e Ana, com Síndrome de Apert - doença genética extremamente rara, que afeta um a cada 160 mil nascidos vivos, ambos com 4 anos; e também outros caos. A história do pequeno Moisés, que mesmo antes de nascer já começou a lutar pela vida, comoveu ao público. Assim como esse pequenos, outras 450 crianças com alguma deficiência ou atraso no desenvolvimento já foram ou vêm sendo beneficiadas com o trabalho do Centro de Referência, e hoje frequentam normalmente a rede municipal de ensino.

Não há comentários nessa notícia.Seja o primeiro a comentar